Roteiro de 5 dias entre Belém e Ilha de Marajó

Belém

Estava há tempos procurando passagem para Belém do Pará (e São Luis do Maranhão) em tudo que era promoção de passagem aérea que aparecia. E não é que apareceu uma promoção bem para o carnaval com uma passagem superotimizada saindo sexta-feira à noite de São Paulo e voltando na quarta-feira de cinzas à tardinha? Cinco dias inteiros para conhecer Belém e Ilha de Marajó.

Depois de comprar a passagem, precisava reservar um hotel em Belém e pensar se dormiria alguma noite em Marajó. Li uns posts aqui e outros ali e vi que era melhor dormir mesmo por lá. O ideal seria encaixar a Ilha de Marajó, no início ou no fim da viagem para reduzir uma diária em Belém. Pelos horários dos barcos e dos vôos nenhuma das alternativas era boa ou muitas horas vagando sem ter onde deixar a mala ou arriscando perder o voo na volta. Acabei reservando um hotel para as 5 noites em Belém e deixei para decidir depois quando iria para Marajó.

O que dificultou muito o planejamento foi a falta de opções de horários de barcos para a Ilha de Marajó. Vi no Viaje na Viagem que agora tinha um catamarã expresso para Soure. Mas quando pesquisei, algumas vezes só apareciam idas e em outras só a volta. O barco lento, nos dias que queria, saía as 6h30 da manhã… Acabei desistindo. Já estava estressada com a viagem das férias que também queria fazer pelo Brasil e não achava informação nenhuma, mas deixa isso para lá… Até que uma semana antes da viagem o namorado insistiu em ver as coisas de Marajó e voltamos a olhar. Nesta nova pesquisa apareceram passagens para o Catamarã, mas não tinham mais vagas nas pousadas em Soure em lugar nenhum: Booking, Hoteis.com, Tripadvisor, Trivago…

Acabei achando uma última vaga em uma pousada em Salvaterra, lendo este post no Matraqueando vi que era possível um deslocamento rápido entre Salvaterra e Soure. Comprei as passagens do catamarã e reservei a pousada. No fim, meu roteiro de Belém e Ilha de Marajó ficou assim:

  • sábado: chegada as 1h35 da madrugada e passeio por Belém durante o dia
  • domingo: ida para Marajó no barco das 8h, praia e fazenda em Soure com pernoite em Salvaterra
  • segunda: mais um passeio em Soure e volta de Marajó para Belém no barco das 14h30
  • terça: barco até a Ilha do Combu com visita a Dona Nena (chocolate)
  • quarta: passeio por Belém e vôo de volta as 18h

Para a Ilha de Marajó me baseei neste roteiro da Dani Nogueira lá no Aprendiz de Viajante. Os posts dela no Mochileiros.com também estão ótimos. Um outro post que foi bem útil foi este de 2 dias em Belém do Viaje Sim. Pena que eu não segui mais ao pé da letra (porque morri de calor no primeiro dia e voltei para o hotel depois do almoço) e acabei ficando sem tempo de ir no Museu Paraense Emílio Goeldi. Na ida para o aeroporto que o taxista comentou que era muito legal, pois contava com uma grande diversidade de animais da Amazônia.

De resto acho que os tempos foram bons, 2 dias para conhecer Belém, 1 dia para visitar a Ilha do Combu que fica a 10 minutos de barco de Belém e mais 2 dias para conhecer a Ilha do Marajó. Se tivesse mais tempo ficaria mais algum dia em Marajó para conhecer a praia e as ruínas de Joanes (Salvaterra) e mais alguma praia por lá, talvez a do Pesqueiro (Soure).

Veja aqui todos os posts publicados:

Belém 01

5 comentários

  • Olá, Carol, tudo bem?

    Sou de Belém e moro no Recife há 5 anos. Mas sempre que posso volto à minha cidade para visitar família e amigos! E fico muito feliz e orgulhoso quando vejo gente de outras regiões visitando, curtindo e recomendando Belém!

    Escrevi no meu blog um artigo com 10 dicas que não costumam ser encontradas nos guias sobre Belém. Fiz com carinho pensando no turista que procura aquelas “insider tips”, indicações de morador local, hehehe. O link é esse aqui: https://www.mochileza.com/belem-guia-da-cidade/ Espero que vc possa voltar a Belém um dia e, quem sabe, conferir in loco essas dicas 🙂

    Abraço!

  • Menina, não perdeu nada do Emílio Goeldi! Maior decepção da minha viagem! Fui semana passada e é basicamente um zoológico bem decadente, tive muita pena dos animais (que são os mesmos de qualquer outro zoológico, nada de grande diversidade da Amazônia). O Museu que funciona por ali também é fraquinho. Deveriam investir mais no potencial turístico do lugar (e melhorar os espaços que abrigam os animais!). Já o Mangal das Garças é muito bonito e bem legal! Primeira vez que visito seu blog, vi o link agorinha no Viaje na Viagem! 🙂

  • Carol, esse barco pra Ilha de Marajó balança muito ou é tranquilo? Rsrs #amedrosa

    • Oi Natalia, vou contar melhor depois no post sobre Marajó, mas o barco balançou na segunda metade da ida. Muita gente passou mal, o que é bem desagradável. :-/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *