Houston

Mês passado, precisei ir à Houston a trabalho. Fiquei uma semana lá, saí do Brasil num sábado à noite e voltei no domingo da semana seguinte. Houston me surpreendeu. Esperava encontrar uma cidade cinza feita só de prédios altos e pistas imensas asfaltadas. As rodovias são realmente imensas e muito bem asfaltadas. Mas aqueles prédios enormes e envidraçados estão apenas no centro da cidade. O restante é bem espalhado e as zonas residenciais iguais aos subúrbios dos filmes, com casas amplas, jardins arrumados e sem muros. E muito espaço para carros, seja nas entradas das casas ou nos estacionamentos dos centros comerciais. Praticamente em cada quadra (das principais ruas que eu andei) tem supercentros de compras com amplos estacionamentos! Quase não se vê transporte público e tem uma pessoa em cada carro. Dava para notar que não éramos de lá, pois andávamos em 5 num carro “compacto”, enquanto que os outros veículos eram picapes com uma pessoa dentro. O nosso carro compacto de acordo com a locadora era um Toyota Corolla! Fora este detalhe anti-ecológico, eu gostei bastante da cidade. Todas as ruas tem muitas árvores e jardins. É tudo muito limpo e espaçoso, ao contrário de onde moro…
Houston
Este edifício era o nosso “norte”, era só procurá-lo no horizonte e saberíamos a direção do Shopping Galeria.

 


Clique na imagem acima para abrir o Google Maps

Como Chegamos

Fomos e voltamos de Continental, pois tem vôo direto São Paulo – Houston. Até agora a Continental foi a pior empresa que já utilizei para vôos internacionais. Talvez eu tenha começado errado utilizando a Lan e a Air France, ou até mesmo a Pluna… Quanto às poltronas e ao avião em si, não vi problemas. Cada poltrona tem sua própria telinha para assistir filmes e séries, porém toda a programação inicia automaticamente e no mesmo horário. Eu cochilei um pouco após a decolagem e quando acordei todos os canais já estavam com 15 minutos transcorridos. Saudades da Air France, onde eu podia iniciar, pausar ou alterar quando quisesse.
Outra coisa ruim era ter que pagar por bebidas alcoólicas, US$6 por uma cerveja. A comida era razoável, mas sem muitos aperitivos e acompanhamentos. E o café da manhã lastimável. Um croissant com manteiga ou geléia, mais 3 quadradinhos de mamão e 3 de melão (não como nenhum dos 2). O leite e o suco estavam armazenados em garrafas pet de água mineral! Achei meio nojentinho…
Resumindo, não era assim uma Air France, mas dormi bem, fui bem tratada e não passei fome nem sede. Além disso, pontuei na TAM. Se você quer um review mais completo leia este aqui do Marvila.

Onde ficamos

No Extended Stay America – Houston – Westchase. Como diz o nome, não é bem um hotel, é quase um apartamento para alugar. As diárias reduzem conforme os dias de estadia aumentam. Não tem café da manhã incluído e a limpeza do quarto é semanal, qualquer coisa adicional é paga. Eu achei bem interessante, fiquei lá durante 6 noites. Apesar do check-in ser após as 15h, chegamos às 8h e como tinham quartos disponíveis, já nos alojamos. Muito bom! Existem vários da mesma rede por toda cidade, e também outras redes com a mesma filosofia. Não fui eu que escolhi, foi recomendado pela empresa. Eu teria ficado na região do Galeria ou de algum dos pontos de interesse. A localização deste hotel é longe do aeroporto, da Nasa, do Shopping Galeria, dos museus… Mesmo assim, eu gostei do quarto e tirei várias fotos.Se quiser outras opções de hospedagem em Houston, clique aqui.

Hotel na hora de ir para trabalhar
Hotel na hora de ir para passear
Cozinha
Quarto
Cama e poltrona
Ferro de passar e TV
Mesinha e minha mala
Recepção pela manhã
Banheiro

O que fizemos

Dia de Chegada – domingo: Museu de Ciências Naturais
Segunda a Sexta – Compras após o expediente
Dia de Partida – sábado: Nasa

 

Voltando do trabalho

 

Carro alugado, saindo às 7h para o trabalho.

O que comemos

Muita comida mexicana e hamburgueres. Experimentamos também donuts e bagels com cream cheese. Num dos dias para variar fomos no Red Lobster comer frutos do mar, como não é minha praia comi só um bacalhau.
Frutos do mar para quem gosta no Red Lobster.

 

Muitos…

 

Vai um pãozinho com canela? Tem com chocolate também.

O que compramos

Maquiagens, malas, jogos e acessórios de video-games. Alguns colegas trouxeram notebook e celulares. É uma maravilha para o consumo. Quase impossível resistir. Haja cartão de crédito. Vamos às dicas:
– Macy’s: perfumes, maquiagens, bolsas e roupas de marcas famosas. Tem 10% de desconto para estrangeiro, mas tem que pedir um cartãozinho que vale por 1 mês. Uma vendedora bem querida que me deu a dica. Comprei coisas da Kipling e Tommy Hilfiger.
– Sephora: perfumes e maquiagens de marcas diversas das mais baratas às mais caras. Ótima.
– MAC: maquiagem, prefiro comprar no Free Shop. Mas caso você procure algo que esteja em falta no Free Shop tem esta opção.
– Victoria Secrets: lingerie, não vi os cremes e perfumes, mas deve ter.
– GAP: roupas.
– Best Buy Mobile: só celular.
– Swatch: relógios. Eu costumo olhar antes no site para ver os modelos e preços.
– Swarovski: jóias. Os preços não me pareceram tão bons quanto às lojas de Viena, tinham poucas peças e eram mais elaboradas, talvez por isso fossem mais caras.
– Apple: iPods, iPads, etc. É bem difícil ser atendido, pois tem dezenas de pessoas mexendo em todos os aparelhos e parece que ninguém comprando. Entrei umas 3 vezes até conseguir ser atendida.
– Gamestop: jogos de Wii, PS3, Xbox e demais. Tem prateleiras só com jogos usados (pre-owned), são mais baratos e em bom estado, vale a pena. É bom verificar se está o jogo certo na caixinha, o meu veio trocado e precisei voltar para destrocar. Mas a troca foi bem tranquila, até devolveram a diferença de valor, pois o jogo que eu queria realmente não tinha.
Acho que todas estas lojas estão na lista do Tax Free, mas é melhor verificar. Atentar que para pedir o reembolso tem que ter mais US$10 de taxa na Nota Fiscal (parece que se for do mesmo dia e mesma loja pode somar). Na hora do Tax Free no aeroporto, eles ficam com as notas, mas tiram uma cópia para você. Em algumas lojas como a Apple, eles dão nota duplicada para isso, talvez para pedir garantia.
Best Buy: Tem uma Best Buy perto do Galeria na Richmond e várias outras espalhadas pela cidade. A loja do Galeria estava com várias coisas em falta então fomos outra perto do nosso local de trabalho, num destes centrinhos comerciais. Era um tal de Gulf Shop que tinha além da Best Buy, uma Gamestop boa (melhor que do shopping) e algumas lojas ótimas para comprar malas, como a Ross e a Marshalls, elas estão em todos os cantos também. Comprei uma Samsonite boa de um tamanho médio por US$79,90 na Marshalls! Tem malas a partir de US$39,90.

Dicas

  • O imposto sobre compras no Texas é de 8,25%. Eu citei o Tax Free, mas ainda não posso dizer se ele funciona. Eu tentei. Olhei no site como fazia e fiz. Agora estou aguardando, o prazo para reembolso é entre 90 e 120 dias. O que eu não gostei é que no site falava em Paypal ou cheque. Como tenho cadastro no Paypal queria esta opção. Chegando lá a atendente informou que a opção de Paypal era só para quem já tinha cadastro. E como eu já teria cadastro? Só em uma segunda viagem que posso utilizar? Como não gosto de discutir (muito menos em inglês), aceitei a opção de cheque. Parece que um dia ele vem pelo correio e eu terei que descontá-lo de alguma forma. Se alguém tiver alguma experiência sobre isso, por favor, envie um comentário.
  • Dicas da @carlinhaz neste post aqui.

5 comentários

  • ahhhh uma steakhouse já me inspira BEM mais! 😀

    sempre que puder darei um pulo aqui!

    paz! Michel
    http://www.rodandopelomundo.com

  • Oi Michel,

    Obrigada pela visita!
    Realmente hamburguer não empolga tanto. É que À noite, depois de tanto bater perna comprando e com restaurantes fechando cedo, só o que restava eram os Fast Foods perto do hotel. Outra especialidade lá são as Steakhouses, mas não fui em nenhuma, exatamente por causa do horário.
    Abraços,

  • Oi Carol! Prometi no twitter da Fabiola Pereira que passaria e aqui estou eu! 🙂

    Achei bem legal o blog de vocês e o post também! As comidas não me inspiram tanto e o exagero do 'cada um em um carrão' dos americanos é mesmo anti-ecológico, mas já faz parte das paranóias deles..

    Voltarei mais, sem dúvida!!!

    Abraços e paz, Michel
    http://www.rodandopelomundo.com

  • Oi Cissa,
    Não sei se vou ter outra saída. Mas pelo que você disse vou ter que insistir na minha agência. Se der deu, é um dinheirinho a mais. Obrigada pelo depoimento!

  • Oi Carol! Eu tive que descontar um cheque americano, e o fiz através do Banco do Brasil, onde tenho conta. Mas foi bem confuso e ninguem sabia direito quanto eu teria que pagar de taxa, nem quanto tempo demoraria para o dinheiro entrar na minha conta, sem contar que me jogavam de uma agencia pra outra sem solucionar nada. Depois descobri que tinha que ser na minha agencia mesmo, onde ninguem sabia disso. Enfim, cerca de dois meses depois apareceu um dinheiro na minha conta, de acordo com a cotação do dia… Enfim, não recomendo essa saída: é cara e demorada. Dependendo do valor do cheque nem sei se vale a pena… Talvez alguém que troque por dólares mesmo seria mais útil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *